Buscar

Prática de atividade física aumentou no Brasil em 2020, mostra pesquisa


Mas por mais que os hábitos tenham mudado, a comunidade esportiva conseguiu se adaptar à nova rotina, criar novos hábitos e se manter ativa em meio às restrições impostas pelo vírus. É o que mostra o Year in Sport, relatório anual divulgado nesta quarta-feira, 16, pelo Strava, plataforma online de registro de atividades físicas.


O Strava conta com uma comunidade esportiva com mais de 73 milhões de atletas no mundo — mais de 9,5 milhões só no Brasil.

Nos 12 meses avaliados – boa parte vividos em meio à pandemia –, a comunidade global realizou 21,5 milhões de atividades por semana e percorreu 17 bilhões de quilômetros, números muito acima das previsões iniciais.


No mesmo período, a plataforma recebeu dois milhões de novos integrantes, somando, ao todo, mais de 73 milhões de usuários.


No começo da pandemia no Brasil, em março, os registros no Strava caíram no início do mês, mas, mesmo após algumas restrições impostas pela pandemia, cresceram 5% acima do esperado.


Só no Brasil, em 2020, foram percorridos 133,1 milhões de km, comparados aos 98,4 milhões de km registrados em 2019. Os homens tiveram a maior distância média percorrida este ano: 5,9 km, contra 5,3 km das mulheres.


No ciclismo, com 1,2 bilhão de quilômetros percorridos no país, os homens tiveram uma distância média de 29,3 km, com e as mulheres, de 22,9 km.


Mulheres aumentaram mais a frequência de treinos

Globalmente, as mulheres jovens, com idade entre 18 e 29 anos aumentaram a frequência de atividades em 45,2%, quando comparadas ao ano passado, enquanto os homens cresceram 27,3%.


No Brasil, esse dado também tem as mulheres na frente, com um aumento de 43,8% de registros contra 30% a mais feito pelos homens na mesma faixa etária.


As brasileiras, em todas as faixas etárias, superaram ou se igualaram aos em relação ao número de atividades registradas na plataforma. Também houve crescimento no registro de atividades em todas as faixas de idade dos dois sexos, quando comparado 2019 e 2020.


UOL

0 comentário